fbpx

Os Grandes Amantes da História da Arte

Temos um especial apreço pelo site de arte – artsy.net – que realiza um trabalho inestimável para a História da Arte, para os artistas, colecionadores, galerias e amantes das artes plásticas.

Selecionamos um artigo muito interessante sobre os artistas que retrataram e homenagearam suas esposas ou amantes, criando obras famosas de grande valor artístico. São atos amorosos, apaixonados, provocadores, forjados em pedra ou telas que retratam amantes ardentes de desejo. Revelam as muitas faces do amor, afetuoso e feroz, monogâmico e poliamoroso, fugaz e atemporal.

Destacamos aqui algumas delas:

O Beijo de Klimt – 1907

A pintura icônica de ambos os amantes está tão intimamente entrelaçada (rostos se sobrepõem, mãos travam) que quase se tornam um. O famoso austríaco aumenta sua intimidade física e emocional, reunindo-as em uma única mortalha dourada. Além disso, o padrão deles, as roupas coladas uma na outra, na cintura e no pulso, como se seus corpos estivessem se fundindo. Típico do trabalho de Klimt, o realismo das expressões faciais de seus personagens leva à atmosfera da peça: feliz. Alguns historiadores afirmam que o casal representado é de fato o próprio Klimt e sua parceira de longa data Emilie Flöge, a última pessoa que ele chamou antes de sua morte em 1918.

Os Amantes (Les Amants) de René Magritte - 1928

Magritte  tinha uma maneira de visualizar o comportamento profundo e complexo da mente humana e sua conexão com as questões do coração. Temas de desejo frustrado, e outros lados mais sombrios do amor como obsessão e idolatria, surgem em todo trabalho do mestre Surrealista. Em nenhum lugar eles são visualizados de forma mais poderosa  do que neste trabalho. Aqui, dois amantes são tão desejosos um do outro que o desejo – ou talvez a sua incapacidade de ter um  ao outro plenamente, é sufocá-los, evidenciado pelos véus que obscurecem suas faces.

The Kiss, de Auguste Rodin - 1929

A famosa escultura de mármore tornou-se um ícone universal da paixão; as duas figuras se juntam à boca e ao quadril, como se estivessem derretendo uma na outra. Mas a história por trás dos personagens  de Rodin é mais complexa do que a de um encontro despreocupado.
O escultor baseou o homem e a mulher que ele tão habilmente esculpiu em Paolo e Francesca, dois personagens da Divina Comédia de Dante. Enquanto ambos eram casados, eles compartilharam um beijo proibido. Rodin captura o momento feliz pouco antes do marido de Francesca ter descoberto  o caso fugaz e mata os dois.

O abraço amoroso do universo, a Terra (México), Eu mesma, Diego e Señor Xólotl, de Frida Kahlo - 1949

O relacionamento com seu amante, o pintor Diego Rivera  foi muito intenso.  Seu casamento oscilou vertiginosamente entre paixão, alienação e raiva. Mas, apesar de tudo, ambos consideraram seu amor profundo e essencial. “Sua palavra viaja por todo o espaço e alcança minhas células, que são minhas estrelas, depois vai para as suas, que são minha luz”, escreveu Kahlo em uma das muitas cartas de amor para Diego. Essa pintura revela a complexidade de seu relacionamento e a visão de Kahlo sobre o amor em geral. Com um desenho evolucionário ou uma árvore genealógica, a Mãe Terra Asteca Cihuacoatl mantém Kahlo, que segura Rivera. A composição enfatiza a independência de Kahlo, mas também sua incapacidade frustrante de ter um filho; em vez disso, ela parece sugerir, estar destinada a nutrir um marido infantil.

O Beijo de Klimt – 1907

A pintura icônica de ambos os amantes está tão intimamente entrelaçada (rostos se sobrepõem, mãos travam) que quase se tornam um. O famoso austríaco aumenta sua intimidade física e emocional, reunindo-as em uma única mortalha dourada. Além disso, o padrão deles, as roupas coladas uma na outra, na cintura e no pulso, como se seus corpos estivessem se fundindo. Típico do trabalho de Klimt, o realismo das expressões faciais de seus personagens leva à atmosfera da peça: feliz. Alguns historiadores afirmam que o casal representado é de fato o próprio Klimt e sua parceira de longa data Emilie Flöge, a última pessoa que ele chamou antes de sua morte em 1918.

Os Amantes (Les Amants) de René Magritte - 1928

Magritte  tinha uma maneira de visualizar o comportamento profundo e complexo da mente humana e sua conexão com as questões do coração. Temas de desejo frustrado, e outros lados mais sombrios do amor como obsessão e idolatria, surgem em todo trabalho do mestre Surrealista. Em nenhum lugar eles são visualizados de forma mais poderosa  do que neste trabalho. Aqui, dois amantes são tão desejosos um do outro que o desejo – ou talvez a sua incapacidade de ter um  ao outro plenamente, é sufocá-los, evidenciado pelos véus que obscurecem suas faces.

The Kiss, de Auguste Rodin - 1929

A famosa escultura de mármore tornou-se um ícone universal da paixão; as duas figuras se juntam à boca e ao quadril, como se estivessem derretendo uma na outra. Mas a história por trás dos personagens  de Rodin é mais complexa do que a de um encontro despreocupado.
O escultor baseou o homem e a mulher que ele tão habilmente esculpiu em Paolo e Francesca, dois personagens da Divina Comédia de Dante. Enquanto ambos eram casados, eles compartilharam um beijo proibido. Rodin captura o momento feliz pouco antes do marido de Francesca ter descoberto  o caso fugaz e mata os dois.

O abraço amoroso do universo, a Terra (México), Eu mesma, Diego e Señor Xólotl, de Frida Kahlo - 1949

O relacionamento com seu amante, o pintor Diego Rivera  foi muito intenso.  Seu casamento oscilou vertiginosamente entre paixão, alienação e raiva. Mas, apesar de tudo, ambos consideraram seu amor profundo e essencial. “Sua palavra viaja por todo o espaço e alcança minhas células, que são minhas estrelas, depois vai para as suas, que são minha luz”, escreveu Kahlo em uma das muitas cartas de amor para Diego. Essa pintura revela a complexidade de seu relacionamento e a visão de Kahlo sobre o amor em geral. Com um desenho evolucionário ou uma árvore genealógica, a Mãe Terra Asteca Cihuacoatl mantém Kahlo, que segura Rivera. A composição enfatiza a independência de Kahlo, mas também sua incapacidade frustrante de ter um filho; em vez disso, ela parece sugerir, estar destinada a nutrir um marido infantil.

Frieda Kahlo,  O abraço amoroso do universo, a Terra (México), Eu mesmo, Diego e Señor Xolotl , 1949. Imagem: Wikimedia Commons

Extraído de ARTSY.net especialmente para os leitores da  Galeria & Editora Degustar.

Desmitificando a Arte Erótica

Platão, em O Banquete, um dos mais antigos textos sobre o erotismo do Ocidente, já expressa claramente esta idéia. Ros o deus do Amor.

O poder do feminino se encontra expresso nos mitos, dos pagãos aos cristãos. A Bíblia traz exemplos inesgotáveis da necessidade de regular, de “proteger” as mulheres e de se proteger contra elas, que, silenciosas e passivas, ameaçam a ordenação e a assepsia da humanidade, sobretudo durante a menstruação e a gravidez, estados considerados imp

Sendo a história do erotismo no Ocidente marcada pela repressão, e estando a repressão ligada à morte, não há como negar que em nossa cultura este par funcione como elemento gerador de nossa sexualidade reprimida.

Desmitificando a Arte Erótica

Platão, em O Banquete, um dos mais antigos textos sobre o erotismo do Ocidente, já expressa claramente esta ideia. Ros o deus do Amor.

O poder do feminino se encontra expresso nos mitos, dos pagãos aos cristãos. A Bíblia traz exemplos inesgotáveis da necessidade de regular, de “proteger” as mulheres e de se proteger contra elas, que, silenciosas e passivas, ameaçam a ordenação e a assepsia da humanidade, sobretudo durante a menstruação e a gravidez, estados considerados imp

Sendo a história do erotismo no Ocidente marcada pela repressão, e estando a repressão ligada à morte, não há como negar que em nossa cultura este par funcione como elemento gerador de nossa sexualidade reprimida.

Não é por acaso que os franceses denominam o orgasmo de “petite mort”.

O termo “erotismo” deriva-se de Eros, deus grego do amor também conhecido como Cupido. Detentor de uma beleza excepcional, era ele quem flechava tanto deuses quanto humanos com seu arco do amor.

Da luxúria sem limites dos gregos até o erotismo pecaminoso da Idade Média, a literatura erótica foi reconhecida pelos franceses como forma de arte e ganhou destaque nos últimos séculos.

Assunto velho, tão velho quanto a arte. A voluptuosa Vênus de Willemdorf, esculpida em calcário entre 28 mil e 25 mil anos atrás, é uma das primeiras obras artísticas que se tem notícia.  A pré-história, aliás, foi prolífica em imagens assim, que acabaram apelidadas de “deusas da fertilidade”.

Não se sabe se eram mesmo imagens de deusas, ou qual era o propósito dessas estátuas. Mas o tom erótico está ali, sem dúvida. O fato é que todas as formas de arte trataram todo tipo de expressão sexual possível. E de violência, guerra, atrocidades, doenças, maldade, torpor, sangue.

Natural. Mas a arte só é arte quando pode falar do que quiser?

Menu